/arquivo de June 2010

Baby I’m yours

Depois de você se encantar com essa faixa linda do Breakbot, veja mais trabalhos da Irina Dakeva aqui.

Pausa

Porque a vida anda exigindo exclusividade…

Moleskindle

Difícil resistir e não desejar um duo desses (inclusive quando você ainda nem cogitou comprar um Kindle ou qualquer outro eReader). O mais interessante aqui é a união entre os dois suportes, algo que soa contraditório para muitos que ainda opõem o papel ao eletrônico, naquele papo raso de que um vem para substituir o […]

Vazio

“Um dia você ficará cego, como eu. Estará sentado num lugar qualquer, pequeno ponto perdido no nada, para sempre, no escuro, como eu. Um dia você dirá, estou cansado, vou me sentar, e sentará. Então você dirá, tenho fome, vou me levantar e conseguir o que comer. Mas você não levantará. E você dirá, fiz […]

A vida

“como um comentário de outra coisa que não alcançamos, e que está aí ao alcance do salto que não demos.” Julio Cortázar, em algum de seus livros.

Hormese

Fenômeno batizado em 1943, diz respeito a um “conceito descrito em 1888 pelo farmacologista alemão Hugo Schulz ao observar que doses baixas de substâncias tóxicas estimulavam o crescimento de certos fungos”. Depois de experimentos em animais, realizados pelo médico alemão Rudolph Arndt, ambos enunciaram a lei de Schulz-Arndt: pequenas doses do que faz mal podem […]

Lembre do tempo, mas

“Quando a sombra do caixilho apareceu na cortina era entre sete e oito horas, e portanto eu estava no tempo de novo, ouvindo o relógio. Era o relógio de meu avô, e quando o ganhei de meu pai ele disse Estou lhe dando o mausoléu de toda esperança e todo desejo; é extremamente provável que […]

Antoine D’Agata

Do livro Insomnia, de Antoine D’Agata. Mexico, Tamaoros, 1999.

Julio Cortázar

Na segunda, postei apenas um trecho dessa entrevista, acima (porque nele Cortázar fala do ’62, Modelo para armar’, um dos meus livros preferidos e o qual estou analisando, ultimamente). Agora, eu colo aqui na íntegra (devido às milhares de cartas, de todo o mundo, que chegaram aqui na redação pedindo a veiculação da entrevista toda).

O peso do presente

“É preciso enfrentar as coisas como elas são, ele sonhava. Não fugir do peso medonho do instante presente. A filosofia inteira do século se debruça sobre esse instante vazio, ele relembra. O problema é que as coisas – o filho agora, e toda a interminável e asfixiante soma dos pequenos fatos cotidianos que ele acumulou […]

|
Página